5.22.2006

e Marta

brincou de gato e rato muito tempo. Gabriel andava tonto, como uma varejeira ao pé de carne fresca. mas ela pintava cenários, desenhava roupas, olhos baixos não fosse a expressão traí-la e, a cada proposta do rapaz, acenava com a cabeça um não irredutível.

Paulo Victorino

tempo não lhe sobrava. vendia cerâmicas e quadros e fazia sucesso entre os turistas e a gente da cidade.


Fotosearch

subiu rapidamente na consideração do grupo e dos em volta. mas havia um, apenas, que ela olhava.
tímido, jovem, diferente. deu consigo a sonhar com ele duas noites seguidas e sorriu.
até para o amor estaria a renascer?

veio a estreia da peça. tudo estava pronto. na hora, no entanto, a única mulher do grupo adoeceu.

Marta não sabia o que se passava com a colega, só os via olhar com fúria incontida na direcção de Gabriel.

- que terá ele feito à rapariga? - não conseguiu impedir-se de pensar?

- Marta...

- diz, Francisco?

- o espectáculo não pode parar. sei que sabes a peça toda. estudaste tudo bem por causa dos cenários e assististe a mais ensaios do que eu. vais ter de entrar.

é assim, naquele mundo de rei-morto rei-posto. não lhe deram tempo a dizer não.


Pavel Krukov


no outro dia, entre elogios rasgados, era a foto de Marta , usando os seus próprios modelos, a inundar revistas e jornais.

- o triunfo do trabalho...

- não, Marta, o da arte também.

disse-lhe o jovem loiro que escutara o desabafo feito à beira rio.

8 Comentários:

Blogger Lumife disse...

A net é um labirinto mas por mais voltas que demos acabamos sempre por nos encontrar. E ainda bem.

Tinha hoje dado a direcção do Vidas de Papel à Emilia Couto pois poderia ser assunto importante.
Não dei endereço de email por razões óbvias.

Gostava que passasses no "Beja" e lesses uns pequenos poemas que tenho feito e me desses a tua opinião.

Vou anotar este novo endereço para te visitar sempre que possa.

Beijos

6:04 PM  
Blogger alice disse...

olá ;)

tenho inveja de manobrares isto tão bem (o template, as imagens, as palavras, tudo perfeito)

eu não consigo fazer metade das coisas

és fantástica

beijinhos,

alice

8:19 PM  
Blogger cuco disse...

Estou sem "palavras" face ao blog (gosto...) e ao texto.Em tempos fiz teatrinho amador... e tenho "estória" a condizer!
Fraternalmente, um abraço.

9:29 PM  
Blogger Um outro olhar disse...

as oportunidades surgem e há que estar preparado
...



:)

(fizeste-me lembrar uns teatros na escola, ajudei uma vez ou outra nos bastidores, pois fugia do palco)

10:34 PM  
Blogger lique disse...

Cá estou a pôr a leitura em dia. Ultimamente o tempo é curto e depois dá nisto. Mas quendo cá venho, delicio-me.
Beijinhos

10:42 PM  
Blogger Era uma vez um Girassol disse...

Só agora, já mais velha, venho ler a tua história...Um mimo!
Bjinhos

2:34 AM  
Blogger Lumife disse...

Bom dia!

Tens uma saudação no "Beja".

Beijos

11:44 AM  
Blogger della-porther disse...

Estou aqui...e qualquer palavra sobre esse espaço...agora...tiraria o encantamento da beleza que vi e vou guardar. só pra mim. desculpe
beijos

12:40 AM  

Post a Comment

<< Home