5.13.2006

partiu leve, sem o peso de sonhos.

Pavel Krukov

ninguém lhe perguntou se sabia para onde. ainda bem. não saberia bem que responder.

- é difícil deixar a cordilheira. tantas as linhas curvas e tantos os recantos cheios de cheiros e sons.
por aqui é sempre primavera. seja qual for a época do ano, há sempre uma flor nova a não pisar .

Jean van Wyk

antes da partida inspirara a montanha até ao sangue e pensara em deixá-la, ir para longe. longe de memórias e de lendas de lobos. agora, olhando a paisagem, do comboio, perdera essa certeza.

Stanislav Galibin

como se lhe fosse uma resposta aos pensamentos Sara vê, entre a neblina, num vale, uma silhueta que lhe lembra o amante. pela primeira vez deixa de se odiar para o odiar a ele.

- não. eu não vou fugir para mais longe. é aqui que pertenço. a este espaço mágico onde tudo, mas tudo, ainda pode acontecer.


R. N. Clark

um uivo desce dos montes. ecoa. espalha-se e desce por entre o nevoeiro.

- obrigada. agora sei que tu me dás razão. na próxima paragem, vou
descer.

6 Comentários:

Blogger adesenhar disse...

olá outono/inverno

obrigado pela visita.
retribuo
e
vou pincelar o teu link, lá no meu espaço.
talvez hoje ou amanhã, vá para uma galeria especial!.
:)

1:34 AM  
Blogger Um outro olhar disse...

o partir sem vontade de partir
...
está excelente


:)

7:56 AM  
Blogger sonia r. disse...

Gostei...boa tarde.

5:28 PM  
Blogger cuco disse...

De volta ao "aconchego" das palavras...

8:13 PM  
Blogger alice disse...

cucu ;)

obrigada pela tua visita e pelas tuas palavras...

é gratifante saber que alguém que escreve bem, gosta do que eu escrevo, porque eu não gosto...

um grande beijinho, amiga

até já ;)

alice

8:51 PM  
Blogger Helder Ribau disse...

vale a pena vistar alguns blogs... este sem duvida é um deles...

1:22 AM  

Post a Comment

<< Home